MAIS HISTÓRIAS DO PARI

MÃO NO BOLO

 

O Geroboaldo nos mandou mais esta história dos seus tempos de usuário de drogas lícitas , ilícitas, etc.

Convidado por um amigo de copo , o outrora galã Ribamar Ribas Ribeiro para o seu noivado, lá foi o Gero, não sem antes passar no bar do Bigode, do Cabelo, do Careca , etc.etc. onde fez o tradicional esquenta.

Chegou à festa devidamente chapado, falando pelos cotovelos , claro , só baboseiras, bateu a cabeça no varal de roupa no quintal , enfiou o pé no ralo do quintal que estava sem tampa, escondeu sanduíches na casinha do cachorro que estava pela casa, sendo acarinhado por todos. Quando o cão resolveu dar uma passada no seu domicílio e encontrou aqueles petiscos comeu tudo , Geroboaldo foi alguns minutos mais tarde e xingou   o cachorro, quase chegando às vias de fato.

Bebeu e comeu até se fartar . Logo depois queria a todo custo dançar com a noiva do Ribamar e ante sua negativa passou a lhe dirigir os mais variados impropérios , só não sendo agredido dada a intervenção da famosa turma do deixa disso.

Mas Gero não parou por aí resolveu dar uma de DJ e trocava as músicas e queria ficar girando o disco bolachão com as mãos e Ribamar com um sorriso amarelo punha panos quentes.

E Gero começou a gritar que queria bolo, que festa é essa sem bolo, quero bolo  e quando chegou a hora de se cortar o bolo, pronto ele foi na sala, pegou o bolo com as mãos, sem segurar na bandeja e comia como um bárbaro, caindo bolo por todos os lados e quem tentava impedi-lo ele atirava bolo, ou seja o noivado virou um filme de pastelão.

O pau comeu na casa de Noca, era pernada para cá , soco prá lá, os amigos comuns de Ribamar e de Gero a defende-lo, os parentes da noiva querendo expulsa-los, a noiva chorando e gritando , a mãe da noiva que já não via com bons olhos o noivado da filha com esse maconheiro, segundo ela , vociferava, tá vendo eu não falei , essa gente não presta !

Enfim , todos os amigos do noivo devidamente expulsos e quase que o noivo também foi,

não fosse a intervenção de sua amada Lindaura Lindinalva, que até hoje ao cruzar com Gero atravessa a rua e nem olha na cara dele, apesar de tantos anos passados.

Hoje Gero conta essa história com um misto de bom humor e vergonha.

 

JAYME ANTONIO RAMOS

 

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s