AGOSTINHO RELEMBRA

O nosso blog  historiasdopari.wordpress.com  hoje reapresenta mais um pariense de quatro costados.

Trata-se do sr. Agostinho Lopes Carrilho, ferroviário aposentado, que nasceu e foi criado no bairro.

Quando falo bairro e isso já frisei anteriormente não me prendo a limites geográficos  é mais que isso.

Pari, Alto do Pari, Canindé e um trecho lindeiro do Brás são na verdade um estado de espírito , o mes-

mo sotaque , predominância de identidade cultural , política e em grande parte religiosa.

Como dizia o sr. Agostinho foi criado na rua Casemiro de Abreu, no trecho pariense , no tempo em que

lá só havia casas e não devemos esquecer das três vilas lá existentes, Amador , a Grande e a Carlito,

se não me falha a memória.

O sr. Agostinho tem 90 anos

e  uma  vez por semana frequenta bailes da região em especial do Clube In-

dependência.

A meu pedido hoje ele fala dos cinemas da região , cinéfilo que é , lembra com perfeição de vários artistas

do passado e vários trechos de suas biografias.

Então vamos lá , hoje o Agostinho nos fala dos cinemas.

” Começo o meu relato falando dos cinemas do bairro do Brás.

Na avenida Rangel Pestana os cines Mafalda , Olímpia e Piratininga, sendo que este último era o maior da A-

mérica do Sul, com mais de dois mil lugares, sendo que na parte de cima havia uma fileira de dois lugares ca-

da , que era para casais de namorados.

Na rua do Gazômetro tinha o cine Glória e na rua Piratininga o Ideal, no largo da Concórdia o Babilonia que de-

pois passou a chamar-se Brás com entrada pela avenida e saída pelo largo.

Na avenida Celso Garcia existiu o cine Universo , cujo teto retrátil durante a matinê ficava aberto deixando en-

trar a claridade do sol e à noite se viam as estrelas e a Lua e quando chovia os espectadores do meio da sala

saiam correndo enquanto os demais caiam na gargalhada.

Onde hoje é a Igreja Universal havia o cine Roxy, cuja programação era exclusiva da Metro e na sua frente viam-se retratos a cores com todo o elenco , incluindo diretores, estando em primeiro plano o ator Clarck Gable e o proprietário Louis B. Mayer.

Na rua Firmino Whitacker com a Saião Lobato havia o Oberdan, que num Domingo de Ramos durante a matinê enquanto a Procissão andava pelas ruas do bairro, desabou um temporal causando escuridão no cinema, quando alguém acendeu um fósforo no banheiro dando a impressão de incêndio e alguém gritou fogo ! causando um tumulto e várias crianças foram pisoteadas, a maioria morreu , tendo havido vários velórios no bairro e bairros vizinhos como no Pari e Belenzinho.

No Pari existiam os cines Rialto na rua João Teodoro esquina com a Monsenhor Andrade e na rua Mendes Junior o Cine Savoy que mudou o nome para Roma e na rua Canindé o cine Haiti.

Em tempo, no Brás existiu o cine Braz Politheama na Celso Garcia esquina com a Costa Valente e na Celso Garcia com João Boemer o cine Bruni Brás que geralmente exibia filmes de lutas e de qualidade duvidosa.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s